Steampunk para principiantes!

Steampunk é o que eu gosto de chamar carinhosamente de gênero Frankenstein. O motivo é bem simples: Ele é a combinação do cenário tradicionalmente de fantasia medieval e a tecnologia do período da Revolução Industrial ocorrida em nosso mundo durante do século XVIII.

Não existem muitos termos exclusivos neste gênero. A ideia é representar o próximo passo de uma sociedade vivendo em um mundo de fantasia medieval mas que não depende completamente da magia para prover as comodidades para seus habitantes. Afinal de contas mesmo nos universos de fantasia a magia é algo inacessível para a maioria das pessoas. Não seria nada construtivo que todos habitantes de um reino fossem capazes de lanças bolas de fogo.

O papel da tecnologia nesses universos é geralmente suplantar a magia em alguma função amplamente necessária, como por exemplo meios de transporte. Por regra dragões são muito mais difíceis de se pilotar que seus equivalentes mecânicos, principalmente pelo fato dos aviões ou outro meio de transporte equivalente ao dragão não tentar voluntariamente torrar ou mastigar vivo seus tripulantes. Principalmente a parte de mastigar, afinal de contas aviões usam combustível, e onde há combustível há fogo e explosões. Mas no fim das contas é mais viável construir uma maquina mais pesada que o ar para voar do quê usar um lagarto mais pesado que o ar para o mesmo fim. E este exemplo é apenas o começo.

Atenção: Instabilidade Temporal detectada. Aguardando fim do recebimento da mensagem:
Iron Kingdoms - Os Reinos de Ferro: Porque não existe nenhuma maquina que não fique melhor com magia!
Outros artefatos amplamente encontrados em nosso universo SteamPunk são armas de fogo primitivas e constructos mecânicos com personalidades implantadas magicamente, alem de motores a vapor com as mais diversas utilidades. Afinal de contas com tanta pouca gente em um mundo constructos com personalidade e meios de transporte mais rápidos são essenciais para aquele esforço de guerra em terras longícuas, ou para ter uma companhia mais próxima das pessoas que importam.

E é claro que mais tecnologia traz uma nova classe de problemas para os habitantes do mundo. Afinal de contas sem exércitos de maquinas voadoras não existe a necessidade de se preocupar com ataques aéreos. Exeto quando o dragão local requer uma refeição não tradicional. Mas pelo menos existem mais facilidades com as maquinas autômatas criadas. O problema é quando elas se cansam de servir e começam uma caçada contra os criadores, ou até mesmo todas as raças conscientes biológicas.

No fim das contas acredito que os riscos de aniquilação da civilização pelas novas tecnologias não é maior que o risco que surgiu quando a mágica começou a ser amplamente praticada. Mas a combinação das duas pode ser o fim de tudo! Então por favor aprovem a lei de não proliferação de artefatos Tecno-Mágicos votando abaixo. Muito obrigado!

2 comentários:

  1. Rafael Costa disse...:

    Apesar de o Steampunk ser um conceito pouco utilizado, eu o acho deveras interessante. Claro, sou do tipo que leva as coisas um pouco mais adiante e, diferente do meu amigo que fala sobre invenções em épocas medievais, a gente pode simplesmente imaginar o avanço da população rumo à revolução industrial. O setting básico, claro, é um mundo de fantasia.

    Final Fantasy VII, por exemplo, é um ótimo e popular exemplo de jogo baseado em Steampunk. Você tem o maldito dragão que quer devorar a raça humanóide, você tem robôs, você tem magias e você tem Buster Swords...

    Enfim, ótimo texto. E cuidado, pelo amor de Odin, com os construtos... Battlestar Galactica está para mostrar do que eles são capazes.

  1. Fontes alternativas de informação podem ser encontradas nos sites do Conselho SteamPunk - www.steampunk.com.br

    Recentemente foi publicada a revista Vapor Marginal - www.vapormarginal.com.br

    Há ainda o vidcast SteamCast - www.steamcast.com.br

Postar um comentário

 
Nuclear Core Studios © 2010 | Designed by Trucks, in collaboration with MW3, Broadway Tickets, and Distubed Tour. Customizado por Bruna Lanzillotta.