Entendendo os anuncios sobre Diablo III

Nessa semana a Blizzard divulgou novas informações novas sobre características que seu RPG de ação, Diablo III, terá no lançamento. A primeira é uma casa de leilões com suporte a venda e compra de itens com dinheiro de verdade. O segundo anuncio é sobre a necessidade de conexão com a Internet em tempo integral para jogar, mesmo no modo de apenas um jogador. O ultimo anuncio é que está proibido criar mods do jogo.

A verdade é que os três anúncios estão diretamente relacionados. E, antes de qualquer outra coisa, tenho certeza que nenhum deles afetará negativamente o número de vendas do jogo. A Blizzard tem tanta fama e o público está tão carente por Diablo que eles comprariam qualquer coisa com o nome.

Primeiro o motivo da criação da casa de leilões com RMT (real money transactions - transações com dinheiro real). Esses leilões funcionarão da seguinte forma: Pagando duas taxas será possível colocar itens obtidos dentro do jogo a venda por dinheiro de verdade. A primeira taxa é uma taxa de criação do leilão, para evitar que todo e qualquer item seja colocado a venda dessa forma. A segunda taxa é um percentual sobre o dinheiro movimentado pela venda caso o leilão encontre um comprador.

RMTs já acontecem no Diablo II e em todos os MMOs que existem por ai. A verdade é que existe gente disposta a pagar dinheiro real por conforto dentro dos jogos. Esse é o motivo que existem tantos jogos hoje em dia que se sustentam através das micro-transações apenas. Meu problema com essa decisão é que a Blizzard agora apóia de certa forma os gold farmers. E com o crescimento da população destes a economia dentro dos jogos será puramente baseada em RMTs. Isso quer dizer que o jogo deixará de ser um mundo virtual e passa a ser muito mais real. Eu aposto que em poucas semanas depois do lançamento do Diablo III será possível encontrar pessoas que se sustentam através das vendas dos itens que eles conseguiram jogando 15 horas por dia. Pelo menos a Blizzard foi inteligente o suficiente para não criar uma loja baseada em micro-transações. Isso irritaria muito mais os jogadores de forma geral.

O problema mais cruel dessa situação é que muitos vão entrar no jogo pensando apenas em prejudicar outros para conseguir um item que possa ser vendido por dinheiro real. E mesmo que você me fale que nunca vai jogar com ninguém que você não conheça é bem possível que essa "corrupção" atinja a todos. Todos vão querer fazer um "troco" jogando o jogo favorito deles. E em um jogo onde a diversão está em cooperar isso vai ser prejudicial. Sem falar nos "bots" que vão jogar o jogo e vender os itens que eles encontrarem automaticamente. Essa economia por dinheiro real vai funcionar, mas vai erodir consideravelmente a comunidade, dando um aval oficial para as piores características que um MMO tem hoje em dia.

A grande vantagem, e sim, é uma vantagem porque é no mínimo justo, é que a Blizzard vai ver uma parcela do dinheiro que circula através das RMTs. Isso é justo porque ela criou o jogo. O mercado cinza e negro de comércio de itens sempre vai existir. Mas pelo menos uma parcela dos usuários vai usar o serviço oficial, que levará mais moedas de ouro para os cofres da Blizzard. Por esse motivo essa decisão pode ser considerada mais um movimento caça-níqueis da empresa. Por mais que isso seja verdade, e eu acredito que seja, ela está no direito de fazer isso porque ela criou o software, então ela toma as decisões estratégicas da forma que preferir. Você como usuário tem o poder de escolher se acatará as escolhas dela quando comprar o jogo.

O quê nos leva a segunda questão. A necessidade de estar conectado em tempo integral ao jogo, mesmo quando você estiver jogando sozinho. Essa decisão é simples de se entender: como a Blizzard agora está criando uma economia literalmente real dentro do jogo é necessário evitar que itens valiosos sejam criados e vendidos por dinheiro de verdade de forma ilícita, evitando um desequilíbrio no preço de mercado. Estar conectado o tempo todo garante que o jogo está fazendo exatamente o quê a Blizzard espera que ele faça, sem qualquer interferência por modificações realizadas no cliente local. Uma das primeiras lições que se aprende ao se desenvolver para computadores é que nenhuma informação no computador do cliente está realmente segura, pelo simples fato do cliente ter controle absoluto sobre todas as tarefas realizadas nele. É bem possível que todos os "drops" (itens que caem dos monstros ou baús durante o curso normal do jogo) sejam determinados pelo servidor para evitar que o cliente fale para o servidor que gerou aleatoriamente uma espada única quando na verdade o jogador alterou o executável do jogo para gerar a espada.

Vocês devem ter notado que falei de modificações no cliente no último parágrafo. A única forma de garantir a integridade da economia do jogo é garantir a integridade do cliente. Mods tem a tendência de alterar desde taxas de aparição de inimigos até criação de equipamentos únicos. Para isso geralmente é necessário fazer alterações profundas no executável ou arquivos dos quais os executáveis são extremamente dependentes para o funcionamento regular destes. Alterar esses arquivos pode comprometer fatores que afetariam diretamente o comércio de itens por dinheiro de verdade, sem falar de criar vulnerabilidades para a criação de "bots" ou outros artifícios utilizados para lucrar o máximo com essa economia emergente. Então é mais uma coisa que os jogadores perderam para poder comprar seus itens de forma fácil com seu rico dinheirinho real.

A verdade é que a "legalização" das RMTs vai custar caro para as convenções existentes nos jogos eletrônicos nos PCs. Sem possibilidade de criação de mods e a necessidade de estar conectado em tempo integral eu considero que todos os jogadores perderão recursos para que alguns jogadores tenham acesso a um recurso que aparentemente só está sendo criado para que a Blizzard possa dar sua mordida nesse dinheiro.

0 comentários:

Postar um comentário

 
Nuclear Core Studios © 2010 | Designed by Trucks, in collaboration with MW3, Broadway Tickets, and Distubed Tour. Customizado por Bruna Lanzillotta.